Quais os tipos de gestão de frotas? Veja como obter o melhor de cada uma

Plano de Ação de Gestão de Custos
Plano de Ação de Gestão de Custos
22 de maio de 2018
A Gestão de Frota não precisa ser um problema! Há soluções para reduzir custos
A Gestão de Frota não precisa ser um problema!
5 de junho de 2018
Quais os tipos de gestão de frotas? Veja como obter o melhor de cada uma

O custo com frotas de veículos é um dos maiores dentro de uma empresa e exige muita estrutura física e de pessoal para funcionar bem. Porém, existem boas opções para reduzir bastante isso. Vamos falar dos tipos de gestão de frota e como obter o melhor de cada uma.

 

As empresas montam estratégias para todos os passos, da projeção da marca à venda, visando faturamentos e lucros maiores, e muitas vezes não dão a ênfase necessária aos seus custos operacionais e administrativos. Entretanto, sabemos como neles pode estar boa parte da rentabilidade do negócio.

 

Isto exige uma gestão de custos precisa, como foco em processos e atenta às mudanças em torno do negócio – legais, ambientais, tecnológicas e de metodologias. Em cada mudança pode estar uma forma nova de lidar com determinando custo.

 

As mudanças legais, por exemplo, impactam diretamente nos processos de importação, as tecnológicas podem mudar toda a forma de gerir o parque de equipamentos de informática.

 

Um custo com grande impacto nos resultados das empresas é a Frota de Veículos. E aqui podemos considerar as empresas que possuem frota de automóveis para vendedores e técnicos ou de caminhões para entrega de mercadorias.

 

Neste artigo vamos abordar quais os tipos de gestão de frota, suas características e como o seu negócio pode obter o melhor de cada uma.

 

E qual o melhor modelo de gestão de frota para a sua empresa?

 

É um questão cuja resposta dependerá muito do tipo de negócio e de uma série de fatores para definir o melhor modelo para a sua empresa:

  • Quantidade necessária de veículos.
  • Nível de disponibilidade dos veículos funcionais.
  • Nível de envolvimento da frota com a logística e atendimento a clientes.
  • Disponibilidade dos demais modelos na região.
  • Custo de estrutura própria x custo de um contrato.

 

O importante, neste ponto, é que temos um mercado cada dia melhor qualificado para ser parceiro na redução de custos de frotas.

 

1. Frota Própria

 

Este modelo ainda é usado por boa parte das empresas.

 

Conforme o porte da empresa, envolve de veículos corporativos – para diretores e gerentes – a veículos de representação e assistência técnica. E numa quantidade que aumenta com o (almejado) crescimento do negócio.

 

O principal motivo que leva as empresas a manter uma frota própria é o controle total, tanto nas decisões quanto nos resultados da gestão, principalmente nas frotas de veículos de entrega, pois estarão sob o controle dos padrões de atendimento aos clientes – onde o negócio não quer correr riscos.

 

Porém, a Frota Própria é um modelo que enfrenta grandes desafios e riscos:

 

Investimento de aquisição

 

Sem dúvida o maior de todos, tanto em pacotes quanto individualmente, e sem o mesmo poder de negociação de frotistas.

 

Estrutura de gestão e know-how

 

É necessário um investimento em equipe qualificada e uma política de processos para gerir todas as etapas, com uma série de atividades que exigem conhecimentos muitos específicos, para evitar os riscos e custos inesperados – como exemplos, administrar as manutenções e a legalização dos veículos.

 

Manutenção

 

Algumas empresas fazem a própria manutenção e isto requer gastos com equipamentos, pessoal qualificado e estoques de peças de trocas programadas, o que é inviável para a maioria.

 

Fazer os reparos em oficinas de terceiros cria um custo muitas vezes não controlado.

 

Revenda

 

A empresa assumirá, ao longo do tempo, a depreciação de cada veículo e o revenderá por um valor muito abaixo da aquisição. Além disto, existe o custo de renovação.

 

Por este motivos, e outros embutidos no dia a dia do processo, muitas empresas preferem delegar esta gestão e focar suas forças (e pessoal) no crescimento do negócio.

 

tipos gestao frota

 

2. Frota Alugada

 

Aqui podemos falar de empresas sem frota própria e que, eventualmente, aluga por prazos determinados e usualmente abrange os veículos funcionais – representação, assistência e entregas.

 

Ao mesmo tempo que pode ser atraente por não investir em frota própria – e todos os custos inerentes a ela – também representa um risco, pois a empresa não terá uma frota exclusiva e dependerá da disponibilidade.

 

Podemos relacionar algumas dicas que podem ajudar a tirar o melhor proveitoso deste tipo de fornecimento.

  • Pesquisar mercado: este segmento tem muita competitividade, por isso é fundamental conhecer o que cada uma oferece, perfil de veículos, pacotes de tarifa e principalmente a disponibilidade. O mercado de locação de veículos cresceu 12,3% em faturamento em 2017 quando comparado a 2016, segundo a ABLA. É um desempenho que se reflete o potencial que as empresas podem explorar para conseguir as melhores condições.
  • Contrato: o modelo é de atendimento individual – o que torna o preço menos atraente que em uma Frota Terceirizada – porém é possível firmar um contrato com algumas condições que diferenciam o seu atendimento.

 

Quer conhecer mais áreas da sua empresa onde a redução de custos pode melhorar a rentabilidade? Veja nosso artigo!

 

tipos gestao frota

 

3. Frota Terceirizada

 

Este é o modelo de negócio que surgiu das dificuldades de muitas empresas de administrar a própria frota, com as particularidades do processo e sem o know-how exigido.

 

Em 2017 o setor de terceirização representou 58% do mercado de locação, segundo o Anuário 2018 da ABLA. Isto demonstra o crescimento e consolidação deste serviço.

 

Trata-se das empresas onde podemos fechar um contrato para utilização permanente que inclui:

  • Definição dos tipos de veículos.
  • Disponibilidade total, eles ficam sob a responsabilidade do contratante.
  • Legalização.
  • Manutenções programadas e corretivas.
  • Seguro.
  • Renovação total ou parcial e definida em contrato.

 

Este modelo possui algumas vantagens importantes:

  1. Previsibilidade de custo: a empresa troca uma complexa estrutura de custos, a maioria variável, por um valor fixo contratual.
  2. Redução de estrutura: a gestão do contrato pode ficar a cargo da área que administra os demais fornecedores.
  3. Investimento menor: não há a aquisição de veículos, contratação de pessoal, compra de insumos, além da necessidade de espaço.
  4. Disponibilidade: possibilidade de reposição rápida em caso de quebras ou acidentes, o que nas frotas próprias se resolve com locação emergencial (custo).

 

A contratação de Frotas Terceirizadas requer cuidados inerentes à contratação de um fornecedor:

  1. Pesquisar o mercado: o segmento tem uma competitividade que pode e deve ser aproveitada. É recomendável ter um escopo de contrato e a partir dele pesquisar todas as opções de fornecedores, observando com cuidado o que cada um oferece.
  2. Contrato: atenção com os detalhes porque serão a base para o atendimento.
  3. Cobertura: verificar se a empresa atende todas as localidades da empresa e com todos os serviços previstos.

 

Um aspecto importante é a gestão da mudança em todas as localidades, para que os colaboradores e a empresa de gestão trabalhem com o mesmo nível de relacionamento, sem gerar ruídos localizados

 

Conforme podemos ver neste artigo, o custo de frotas é um item que merece atenção especial das empresas, não só pelos valores mas também pela complexidade de gestão.

 

As opções de mercado podem ser ótimas parceiras para reduzir o custo com frotas.

 

A Expense Reduction Analysts – ERA é uma consultoria mundial especializada em Gestão de Custos, inclusive estrutura de frotas.

 

A ERA possui uma Metodologia de eficiência reconhecida e Profissionais qualificados e com experiência no assunto.

 

Quer conhecer mais?

 

Então clique aqui, marque uma reunião sem compromisso com um especialista e promova uma transformação em sua empresa.